sábado, 11 de dezembro de 2010

Nas canções

Nas canções viajo em emoções
Para saborear infinitas fantasias
Construo castelos de inspirações
E deleito em delirantes poesias.

Nas canções fluem sentimentos
Que apelam para alma a alegria
Em viver intensos momentos
Compondo memorável magia.

Nas canções entrego o coração
Dando-lhe asas para voos rasantes
Ao encontro com sua aspiração
Vivendo as paixões de instantes.

Nas canções saio da realidade
E entro numa historia de amor
Existente na minha interioridade
Degustando o prazer do seu sabor.
Ataíde Lemos



Na luz das estrelas


Em vão eu te procuro,
e na ânsia de te encontrar
sinto-o em toda parte.
No ar que respiro,
na musica suave que encanta
no barco deslizando ao sabor da brisa.
Levanto o olhar e julgo ver-te a sorrir
na luz de alguma estrêla.
Às vezes creio ouvir, o canto de algum pássaro
a me chamar de louca,
sinto no meu corpo o desejo,como matinal perfume
alongo os braços ao teu encontro
e vejo somente o vácuo dos espaços...
e assim nesse delírio atroz
vejo-te em toda parte e não te vejo nunca,
porque és como as miragens do deserto,
estás longe, muito longe, quando o julgava perto.....




Nilde C.C.Palma
Perdido


Não sei qual caminho devo seguir
Qual a direção mais certa tomar
Se continuo permitindo o coração alimentar
De fantasias deixando-o se iludir
Ou dar-lhe um golpe final
Mesmo que sofra intensa dor
Para não viver a ilusão de um amor
Que morreu, mas, que está a assombrar
Os sentimentos, provocando sempre
Alucinações, mentiras e falsas ilusões.


Dói meu coração numa dor infinita
A angustia pelo que não mais pode ser
Queria poder arrancar esse amor
Do meu peito,como se possível fosse
Quem me dera dizer que esse sentimento
Foi apenas uma ilusão
Mas me perco em sonhos confusos
Que me levam pelas noites sem rumo
Onde só o silêncio me faz companhia
Por perdido encontrar-me no caminho.

Ataíde Lemos e Loivielger
A felicidade
*
Se a felicidade existe há de ter
sorrisos sem lágrimas ocultas;
há de ter essências perfumadas
generosamente distribuídas
fazendo de todos os dias,
dias especiais.
*
Se a felicidade existe
todo mundo poderia ser poeta
com direito à se construir
um mundo paralelo de fantasia
de sonhos e poesias.
*
Se a felicidade existe
mesmo os pequenos momentos
devem proporcionar grandes instantes
que deixem um prazer imenso,
ainda que o tempo siga avante
conserve a alegria no presente.
*
Ah! a felicidade existe
basta olhar no sorriso de uma criança
na sensibilidade de uma poesia
ou no encanto do sol que brilha
em olhos apaixonados.
*
Loivíelger e Ataíde Lemos



DESEJO TE AMAR


Eu preciso lhe confessar,
Que você, fez eu me apaixonar,
Isto eu lhe digo, sinceramente!


Você pode acreditar
O quanto eu desejo lhe amar,
Lhe amar! Assim.. Alucinadamente.


Gostaria de com você estar.
E poder, lhe beijar, lhe abraçar,
E sentir o teu corpo quente,


Juro! Eu quero amor lhe dar,
Bem mais que tu possas sonhar,
E eu possa, lhe ver contente...


Elcio Moraes
FRENTE A FRENTE COM O DESTINO


Sonhadora, fiz-me guerreira, um dia,
A garota mais intrépida da cidade
Parti nos ventos frescos da ousadia
Cavalgando nos sonhos da mocidade.


As liras tangiam misteriosas melodias
Enquanto eu embarcava na escuridão
Navegando nas águas revoltas da valentia
Num barquinho carregado de ilusão!


Andei por caminhos desconhecidos
Arei, semeei, cultivei, colhi...
Velhos canteiros por mim rejuvenescidos
Onde eu ouvia cantar os bem te vis.


Os sinos tocavam as matinas
E nosso amor surgiu alvorecido
Mas logo o destino escondido nas neblinas
Surpreendeu-nos, em insensatez, acometido


Naufraguei em mares negros e profundos
Levando junto o brasão do nosso amor
Mas voltei à tona em apenas alguns segundos
Decidida a sentir da vida seu mais íntimo sabor!


E assim enfrentando o destino
Que a cada dia me apronta nova cilada
Vou entoando da alegria o meu hino
Semeando flores pelas margens das estradas...


Colhendo a essência do amor em cada nova alvorada!
Carmen Vervloet

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Amor De Outras Vidas Fábio Jr. Composição: Fábio Jr. Como te reconhecer quando de novo te encontrar Se nem mesmo vou saber como quando em que lugar? O mundo guarda muitas voltas Em outro tempo eu vou parar Sem perguntas nem respostas eu te encontro num olhar Em outro corpo outro universo Outro poema em outro verso Em outro sol em outra lua Nos braços de outra pessoa Vou abrir as portas do meu desejo Reviver nosso último beijo Embriagar de loucura a lucidez Só pra poder te tocar e te amar outra vez Se eu pudesse congelar pelo menos um momento Depois imortalizar um sonho o nosso sentimento Esse amor de outras vidas transende as leis do coração Não aceita despedidas e a vida eterna essa paixão...

domingo, 22 de agosto de 2010

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

quarta-feira, 28 de julho de 2010

SONETO DO MEU AMOR POR TI Meu amor por ti é madrugada, com canto de galo e lua cheia e habita as encostas camufladas na neblina que percorre minhas veias. Meu amor por ti é amanhecer, com aroma de rosas e jasmins, sempre quer o teu rosto guarnecer e manter o teu sorriso junto a mim. Meu amor por ti é tarde calma, margens de rios serpenteando minha alma, cumprindo o rito de saudade e da espera. Meu amor por ti é noite escura salpicada de estrelas, qual moldura, e me faz crer que ainda é o que antes era. Basilina Pereira
REFLEXO Quiz voar além do céu quiz te dar o universo para te chamar atenção faço poema e verso Em poema venho confessar o amor que sinto por ti estou perdido entre as brumas desde o instante que te vi estou perdido neste amor sinto coração oprimido e perdido procuro me encontrar no espelho mas teu rosto,la esta refletido Onde antes me encontrava no interior escondido de mim até meu aspecto sombrio se ilumina ao te ver enfim Ediante do espelho confesso vendo você refletida estou sim te amando te quero em minha vida O reflexo se desfaz te procuro em todo lugar preciso te confessar nasci para te amar E você que do nada surgiu usurpou a minha vida dominou-me por completo trouxe a minha alma alegria E agora vendo você distante minha culpa bem sei e assim se vai os anos penso que um dia te amei mas hoje ainda te amo. (Delonir)
Olhar atrevido Olhar ardente e, atrevido, Despe-me, busca o pecado, Experiente de êxtase vivido, De desejo, chega assanhado! Sua chama incandescente, Indomável, quer me queimar, Violar minha’lma, saliente, Fazer meu coração, acelerar! Só quer extravasar, vil paixão, Nesse efêmero envolvimento, De lasciva intenção! Ardiloso, é esse conquistar, Traz em seu bojo, uma ilusão Poeta Cigano
AMOR PRÓPRIO Não precisa falar, seus olhos dizem tudo. Não se perca em explicações. Deixe como está... Fique quieto e mudo. Já tirei as minhas conclusões... Veio o inevitável. O que eu temia aconteceu. O que me parecia inacreditável: - O seu amor, por mim, morreu! Vá! Não olhe para o meu rosto. Faça exatamente o que seu coração quer... Apesar de sentir tanto desgosto, tenho o amor próprio de uma grande mulher! Vá! Eu não desejo... Mas um dia fatalmente você sofrerá por amor, sem suportar ficar sem o beijo de quem que lhe fará conhecer finalmente a dor! Vá agora! O que sinto não importa... Não diga que um dia quem sabe... novamente... Não me console. Só depois que passar por aquela porta deixarei as lágrimas caírem torrencialmente! Arethuza Viana
Amo-te Assim ! Te esperava sem saber te pressentia sem querer sempre te amei. Amo-te assim com a sensibilidade e a paixão dos Deuses. Quero ver-te intensa amar-te sendo a sua canção. Quero te amar com os olhos e deixar que eles falem tudo o que hoje minha voz teima em calar. Amo-te assim em letras palavras e sons. Amo-te assim de corpo alma e coração. Alma que desnuda desprende-se do meu corpo e rompe os limites do espaço e da lógica num vôo suave que me leva ao seu encontro. Deixando no vento o rastro do meu amor para que nele encontres toda a paz que possas precisar. Possa eu ser tua plenitude. E o meu amor traduzir-te a eternidade. Amo-te assim! (AlexSimas)
RIOS E MARES Quando vens beber na fonte do meu rio Balançando-se na rede dos meus braços Minha vontade é prender-te em abraços Acarinhando os pelos tesos em arrepio Quando vens matar a tua sede enorme Com a língua ardida e saliva bem pouca Afogo-te no oceano que é minha boca Engoles o mar mas o desejo não dorme Quando vens...Ah...Quando vens, eu vou! De alma, corpo...Completamente me dou! Pois sou tua ! Tua ! - Água; maré, vazante - Quando não vens, fico aqui a espera tua Com a margem do meu rio quase nua Ansiosa para receber-te, amado amante... (Lena Ferreira)
OH! MINHA AMADA. Oh! Meu amor, Meu grande amor, Oh! Minha amada. Vem ser minha namorada, Vem amor, pros braços meus. Oh! Meu amor, Meu grande amor, Minha flor mimada. És por mim tão desejada, Vem me dar os carinhos teus. Te quero amor, Meu grande amor, Não negues nada. Deixe apenas ser amada, Peço pelo o amor de Deus! Oh! Meu amor, Meu grande amor, Oh! Minha amada. Vem por mim ser abraçada, E de a mim, os beijos seus... Elciomoraes
Ausência Sinto tua ausência como a me falar por trás, me sussurrando ao ouvido palavras de saudade. Viro-me a te buscar E só vejo poemas Não escritos. Perambulo pelas entranhas dessa saudade Onde te busco entre as estantes De lembranças jamais esquecidas. Adormeces comigo, Visto que me sinto junto a ti. Aos meus sonhos pergunto por ti Mas eles nada me contam... Minha amada, anjo menina Menina que me encanta Queria ter braços longos Para vencer a distancia E te abraçar, aninhado-me em teu colo Onde podes me proteger do monstro chamado ausência. (AlexSimas)

segunda-feira, 26 de julho de 2010

domingo, 25 de julho de 2010

Drop Box

Sempre presente Posso até lhe dizer adeus Mas, não peças para te esquecer Não mando nos sentimentos meus Lembranças são instantes de prazer. Foi uma bela primavera que vivi Seu perfume em mim se impregnou E por todo tempo estarei a sentir Um amor intenso que me encantou. Não arranca um amor da alma Nem se deleta num click um sentimento Que não foi coisa de momento. Estará presente nas poesias Como também nas canções Nas noites enluaradas ou nas frias. Ataíde Lemos

Drop Box

Dor de Amar Sinto a força do amor gritando dentro de mim, lutando contra o vazio de tua ausência, sinto seus movimentos a me chutar o peito. Ensurdece-me o silencio de tua voz... E minha cabeça... Entontece como reflexo da dor que me atormenta. Em minha memória misturam-se imagens de tua angélica figura com as palavras da magoa que não querias me dizer, cacos quebrados que tento juntar de qualquer jeito. Cacos que me ferem a alma, me sangram o já machucado coração que chora a tua falta. A magia do amor que me anestesiava com seus Bálsamos e cânticos e me envolvia em seu plexo, como que transformados em ácidos me corroem... Me derretem as esperanças. O que antes me encantava agora me maltrata. Anti a possibilidade de te perder me desespero, e em meu desespero blasfemo contra o amor e ao blasfemar me maldigo, pra depois maldizer-me por me maldizer, e nessa complexa contradição percebo que te amarei por uma eternidade inteira, te amarei hoje e para sempre porque convicto estou que esse inexplicável amor é infinito. Estou visceralmente apaixonado por você, e a inquietude dessa paixão doe, uma dor que machuca mas que não quero deixar de sentir. Porque dor maior seria passar por essa vida sem ter te encontrado, e te amado... (AlexSimas)
Ressureição Eu morri... No dia em que te conheci eu morri. Morri para a vida da forma como a conhecia, E renasci, pois o que pensava ser fogo era Uma modesta chama, languida como a de Um resto de vela brigando contra o vento Que teimava em apagar-lhe. O que chamava de luz era um fraco crepúsculo Em dia nublado de um meio de outono cinza e monótono... o calor? não conhecia, pois que os ventos do leste sopravam sempre em minha direção como a desrespeitar todas as leis da física... Os palhaços eram ridículos homens fantasiados Em trapos fedidos, pipoca e algodão doce eram Só complemento de renda em circos sujos e Sem graça... Sorrisos eram mascaras ostentadas por hipócritas Que insistiam em fingir falsa felicidade. Minha única alegria era embriagar-me e dormir, Por horas, na sempre constante fuga de uma vida Que insistia em arrastar-se pelos esgotos de uma Sociedade maldita. Então como um milagre fez-se a luz, foste tu que A trouxeste refletida em teus olhos, em teu sorriso Franco... Sim ! Pela primeira vez eu via um sorriso verdadeiro, Puro como a criação, e então se fez primavera em Minha vida, e a vida que me mostravas era cheia de Cores e perfume e sabores dantes nunca por mim Experimentando... E nesse dia eu morri, para renascer do ventre de teu Amor, sim foste tu quem me pariu para viver comigo Esse abençoado encesto. E eu um Édipo filho do amor, te adoro como Jocasta Alguma foi adorada... E agora ressuscitado tenho medo de morrer... (AlexSimas)
Luzes Guardo em meus lábios o gosto do beijo que não te dei: sinto o perfume das rosas que não te dei em meus dedos a maciez de tua pele que não toquei, Tenho os olhos úmidos do choro contido. da dor da saudade que queima minha alma. tão certo quanto o sol que se levanta a cada manhã é essa dor que me atormenta, Assoviando em meus ouvidos o som de tua voz. Olho em meu horizonte e vejo teu sorriso, ainda refletido em meus olhos úmidos. os mesmos olhos que refletem tua tez luminosa,que brilha em minha lembrança qual lua prateada; olhos que roubam tuas luzes para fugirdas sombras da saudade. E a rosa que comprei para te dar era vermelha... E agora jaz com suas Amareladas pétalas, jogada em um canto do meu quarto Teima em tentar alcançar teu retrato onde reluz tua imagem,teu rosto angelical Emoldurado por fios de ouro do teu cabelo Que descem como rio em cascata ao encontro da rosa esquecida.Tenho em minha alma a certeza que outras rosas te darei Rosas vermelhas para contrastar com tua dourada pele Cuja maciez as pétalas não conseguem rivalizar. Acompanharam as rosas os meus beijos e sussurros de te amo Minha paixão querida... (AlexSimas)
Ausência Sinto tua ausência como a me falar por trás, me sussurrando ao ouvido palavras de saudade. Viro-me a te buscar E só vejo poemas Não escritos. Perambulo pelas entranhas dessa saudade Onde te busco entre as estantes De lembranças jamais esquecidas. Adormeces comigo, Visto que me sinto junto a ti. Aos meus sonhos pergunto por ti Mas eles nada me contam... Minha amada, anjo menina Menina que me encanta Queria ter braços longos Para vencer a distancia E te abraçar, aninhado-me em teu colo Onde podes me proteger do monstro chamado ausência. (AlexSimas)

sábado, 1 de maio de 2010

CARTÃO

CARTÃO

CARTÃO

CARTÃO

CARTÃO

CARTÃO

CARTÃO

CARTÃO

CARTÃO

card2

card2

card2